Histórico

As primeiras sementes do Curso de Formação de Oficiais de Controle Animal (FOCA) surgiram durante a “1Era Reunión Latinoamericana de Expertos em Tenencia Responsable de Mascotas y Control de Poblaciones” realizada no Rio de Janeiro em 2003 pela Organização Pan-Americana da Saúde e World Society for the Protection of Animals e no “I Encuentro sobre la Tenencia Responsable de Mascotas, Formación y Sensibilización del Personal del Centro de Controle de Zoonosis de Cali en Salud Pública, Bienestar Animal y Atención al Cliente ” realizado em Cali, Colômbia, em julho de 2004, pela World Society for the Protection of Animals com o apoio da Organização Pan-Americana da Saúde. Ambos eventos contaram com a participação do Dr. Nestor Alberto Calderon Maldonado e da Dra. Rita de Cassia Maria Garcia. Dentre as recomendações feitas durante a “1a Reunión Latinoamericana de Expertos en Tenencia Responsable de Mascotas y Control de Poblaciones”, o estabelecimento de alianças estratégicas com diferentes atores sociais envolvidos direta ou indiretamente na questão de controle de animais para a promoção da guarda e posse responsável dos cães e gatos foi fortemente enfatizada, bem como a promoção da participação ativa e comprometida da comunidade, como um dos pilares de programas efetivos para o controle das populações de cães e gatos. Em conseqüência à técnica de manejo, muitas vezes violenta, utilizada pelos órgãos de saúde pública ou os serviços de controle de zoonoses para a captura e eliminação dos animais nas diferentes cidades da América Latina, a parceria com a comunidade nas atividades para o controle populacional de cães e gatos se torna difícil. Além do recolhimento e eliminação não ser um método eficiente para controle cães e gatos, nos moldes em que é aplicado, é conceitualmente oposto à promoção da guarda, posse e propriedade responsável dos animais de estimação. A imagem negativa das autoridades de saúde pública gerada devido às deficiências no manejo e trato dos animais tanto nas ruas durante o recolhimento como dentro dos serviços de controle de zoonoses (centros de controle de zoonoses, canis municipais ou centros de vigilância ambiental), tornam o órgão público e seus funcionários desrespeitados pela comunidade. Durante o “I Encuentro sobre la Tenencia Responsable de Mascotas, Formación y Sensibilización del Personal del Centro de Controle de Zoonosis de Cali en Salud Pública, Bienestar Animal y Atención al Cliente ”, a necessidade de renovação da imagem pública dos serviços de controle de zoonoses e serviços afins foi fortemente reforçada. Nesse sentido, formar líderes e funcionários sensíveis, conhecedores de etologia e bem-estar animal no campo de saúde pública /controle animal foi um dos focos do Encontro. Concluiu-se que a melhoria da imagem pública dos serviços de controle animal seria uma conseqüência e reflexo principalmente da mudança de paradigma da atuação da “carrocinha” e dos “catadores/laçadores de animais”. Com o objetivo geral de capacitar recursos humanos de serviços de controle de zoonoses e de controle animal para o manejo etológico de cães e gatos e para serem multiplicadores dos conceitos sobre guarda, posse e propriedade responsável dos animais de estimação na comunidade, o Curso de Formação de Oficiais de Controle Animal (FOCA) foi concebido pelo Instituto Técnico de Educação e Controle Animal (ITEC) e seus consultores.

” A renovação da imagem dos serviços de controle de zoonoses e de controle animal é composta não apenas pela implantação de programas efetivos de controle animal com embasamento técnico e ético, mas também com a mudança de atitude, postura e comportamento dos que trabalham na área.”